Anecdotas de Nuestros Visitantes

Cecilia Blohm, familia y amigos. Caracas, Venezuela
"Cigala terapia para hacer terapia familiar hemos escogido el lugar la posada la "La Cigala"...
Patrice et Valerie de Pleubian. Bretagne, France
"Merci pour cet istant de bonheur. Posada La Cigala est extraordinaire. Le personel est formidable,...
Judith Palacio. Venezuela
"La verdad es que nunca me sentí tan bién atendida antes en niguno de mis...
Eliane et Jean Michel Le Petit. France
"Merci pour l'accueil, l'excellente cuisine, la parfaite organisation, et l'atmosphere tout a fait peculiere de...

Comentarios del Articulo 20 - Ricardo Freire - Revista Viagem y Turismo

Fecha de publicacion:  2009-03-05 10:26:46
AutorRicardo Freire

Em que me hospedei, La Cigala, é das mais antigas da ilha. Durante minha estada, os donos viajaram para o continente, mas o gerente tocava tudo com perfeição. Não senti falta de ar-condicionado no quarto; à noite, dava para puxar um lençol por causa da brisa constante.

No geral, a falta de conforto é compensada pelo charme (coisa que, até pouco tempo atrás, não se podia dizer de Fernando de Noronha). E é graças à rusticidade que o arquipélago não tem a densidade demográfica de outros lugares perfeitos. Sem falar que é uma delícia aproveitar o Caribe sem estar num local adaptado ao gosto americano. Os gringos, por ali, falam "buongiorno" e "ciao". 
Não há praia em Gran Roque. É preciso pegar uma lancha e ir até uma das ilhotinhas próximas.

Normalmente as pousadas incluem traslados no valor da diária. O barqueiro leva você à ilha do dia, arma o guarda-sol e deixa a geladeirinha com o almoço e as bebidas. Só não opta por esse plano quem vai a Los Roques para mergulhar (nesse caso, é melhor pagar só para dormir e contratar as companhias de mergulho, que lançam âncora em pontos verdadeiramente selvagens do arquipélago), além de gente maluca que faz qualquer negócio para ir a praias de mar transparente. Los Roques atrai mergulhadores, kitesurfi stas e farof..., perdão, turistas de um dia só, que vêm de avião de Caracas ou de Isla Margarita para navegar em catamarã e mergulhar. 

Nos três dias e meio que passamos por lá, vivi a mesma rotina besta. Acordar. Tomar café-da-manhã (com uma polenta de milho branco como toque local). Escolher as bebidas para levar à ilhota. Andar por dez ou 15 minutos de lancha até lá. Marcar a hora para o barqueiro me buscar à tarde. Abrir a geladeirinha térmica e ver o que tinha nos Tupperwares. (Salada cole slaw. Polvo à vinagrete. Salada de penne com atum. Wraps de frango ao curry. Bolo de banana.) Espantar o enxame de guaramares - as aves que eram donas do pedaço até a chegada dos turistas - que aparecia em frente ao guarda-sol sempre que eu abria a geladeirinha. Nadar. Ler. Almoçar. Pensar na morte das bezerras aquáticas. 

Voltar para a pousada. Sestear. Jantar na pousada. (Ceviche. Bruschetta de barracuda. Peixe assado. Espaguete com tomate, alho e manjericão.) Fazer o footing pela ilha inteira (em 15 minutos você já percorreu todas as ruas). Passar no único bar aberto à noite. Morrer de sono. Dormir de janela aberta, debaixo dos lençóis.

Volver